É POSSÍVEL MANTER A SANIDADE MENTAL NO AMBIENTE DE TRABALHO CONTEMPORÂNEO?

Design de Comunicação

É POSSÍVEL MANTER A SANIDADE MENTAL NO AMBIENTE DE TRABALHO CONTEMPORÂNEO?

2 de dezembro de 2019 Artigos 0

OMS estima que os transtornos de depressão e ansiedade causam um prejuízo de 1 trilhão de dólares por ano à economia mundial. Segundo o relatório de 2017 da mesma organização, 5,8% dos brasileiros sofrem de depressão, o que nos torna líderes na América Latina em casos da doença. Quando se fala em transtorno de ansiedade, 9,8% dos brasileiros são afetados. A média mundial é de 3,6%. 

Um dos fatores que pode levar a problemas mentais é a nossa relação com o trabalho. Essa relação está se transformando muito rapidamente com a tecnologia. Por exemplo, a possibilidade de trabalhar remotamente é muito boa, mas pode se tornar um problema. Quando se está sempre conectado, demandas podem aparecer a todo o momento, inclusive em horários de lazer e descanso. Segundo o livro “Rewired”, da PhD em psicologia Camille Preston, estar conectado o tempo todo pode trazer esgotamento cognitivo, debilidade física, comprometimento de relacionamentos interpessoais e perda de produtividade. Hoje, se espera que o trabalhador esteja online 24 horas por dia, 7 dias por semana, confundindo os momentos de trabalho e descanso e nos deixando cada vez mais estressados e ansiosos. O mundo está em uma crise de saúde mental no trabalho. 

A crise também aparece na nossa economia. Hoje, temos 12,6 milhões de desempregados no Brasil e, ao mesmo tempo, empresas estão fechando suas portas e demitindo em massa. Aceitar mais trabalho por menos dinheiro e com menos direitos se tornou uma necessidade para os brasileiros. Para completar, a legislação trabalhista vem sendo precarizada nos mais diversos aspectos, desde salários a tamanhos de alojamentos e refeitórios.

A situação é difícil e não se sabe qual a solução para o problema, mas ainda há meios de manter uma boa relação com o trabalho, preservando a saúde mental. Se conhecer, saber seus limites, se organizar, fazer pausas e manter uma boa comunicação com colegas são algumas das atitudes que podem ser tomadas para uma melhor saúde mental no ambiente de trabalho. Procurar terapia para melhorar sua relação com o trabalho também é recomendável.

Assédio

Uma má chefia é um dos principais fatores que podem tornar o ambiente de trabalho insuportável. Controle excessivo, roubo de ideias, colocar a culpa dos próprios erros nos funcionários, cobranças demais e arrogância são algumas das características que podem identificar um chefe tóxico, ou pior, assediador

Um dos tipos de assédio que podem acontecer no trabalho é o assédio moral. Nele, o funcionário é exposto a situações humilhantes, de forma repetitiva e continuada. Ele pode se manifestar em críticas em público, não delegar tarefas ou delegar tarefas demais, brincadeiras de mau gosto e isolamento, por exemplo. O assédio moral pode prejudicar gravemente a saúde mental do trabalhador e forçá-lo a deixar o emprego, assim como o assédio sexual

Assédio sexual é o ato de constranger alguém com o intuito de obter vantagem ou favorecimento sexual. Convites para ir a locais sem relação com o trabalho, comentários sobre características físicas, toques indesejados e envio de fotos pornográficas são exemplos desse tipo de assédio.

Uma pesquisa da Talense revelou que 34% das mulheres e 12% dos homens brasileiros já sofreram assédio sexual no trabalho. Situações de assédio podem gerar sensação de impotência e desamparo, principalmente quando o assediador é alguém da chefia.

Lidar com casos de assédio pode ser bem difícil. Segundo reportagem do Estadão, primeiro é recomendável falar com o assediador. Se não funcionar, com o líder direto da pessoa que está sendo assediada. Se isso também não surtir efeito, deve-se falar com o departamento de recursos humanos da organização. Se mesmo assim a empresa não tomar nenhuma atitude, é indicado procurar o sindicato da categoria e, se possível, um advogado. O último recurso é procurar uma delegacia para registrar um boletim de ocorrência.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *